cacau I
Uma propriedade que produz cacau na Zona Rural de Nova União (RO), município distante 370 quilômetros de Porto Velho, vem se destacando em Rondônia como exemplo de produção do fruto. No local, há pelo menos de 300 pés de cacau.
O dono, o agricultor André Luiz Vicente, investiu na produção há cerca de três anos. Como consequência, ele e a família passaram a trabalhar em busca de um produto de excelência.
“Quando comprei a propriedade já tinha alguns pés de cacau plantados. Entre cortar e formar pasto, decidi continuar com a produção de cacau, mas apostando na qualidade do fruto”, destacou André Luiz Vicente. Segundo André Luiz, foi preciso se adequar às práticas para o cultivo e à secagem do cacau.
“Quando comecei a trabalhar na área, além dos cuidados com a lavoura, tive que fazer construções adaptadas para a secagem do cacau. Aqui foi construída uma casa para a fermentação, a barcaça e uma estufa totalmente isolada”, contou. Mesmo com curto tempo de trabalho com o fruto, o produtor venceu no ano passado o concurso da qualidade da amêndoa de Rondônia. Além disso, ficou entre os 10 cacaus de maior qualidade do Brasil em um concurso também realizado em 2017, em Ilhéus, na Bahia.
A região central de Rondônia conta com aproximadamente seis mil produtores de cacau e uma produção anual de quase três mil toneladas.
FABRICAÇÃO DE CHOCOLATE
Em Texeirópolis, município a pouco mais de 360 quilômetros de Porto Velho, uma agroindústria familiar, criada por cerca de 15 associados, trabalha na fabricação de chocolate.
A empresa é responsável por uma produção de pelo menos 80 quilos mensais. Os produtos são comercializados em municípios da parte central de Rondônia. “Amamos trabalhar com a fabricação do chocolate. É uma motivação para todos nós produtores rurais. Nosso objetivo é poder exportar nossos produtos para outros estados brasileiros”, destacou uma das associadas, Marli Cirilo. 
                                                                                                                                                                    (Fonte: G1)