Integrantes do Movimento Sem Terra (MST) e do Levante Popular da Juventude jogaram tinta vermelha no prédio onde fica um apartamento da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, em Belo Horizonte (MG). O ataque ocorreu nesta sexta-feira (6), quando o ex-presidente Lula deveria se entregar, até as 17h, à Polícia Federal, conforme mandado de prisão assinado pelo juiz Sérgio Moro. De acordo com informações do Globo, não havia ninguém no apartamento quando ocorreu o protesto. Cármen Lúcia está em Brasília, segundo sua assessoria de imprensa. Três ônibus foram vistos na região do edifício, localizado na região centro-sul da capital mineira. A ministra é professora da PUC-Minas e mantém o apartamento para quando precisa ir a Belo Horizonte.

                                   (Fonte Bahia.Ba)