A acusação levou o governo da Bahia a instaurar também processo investigativo.
O Ministério Público do Estado (MP) denunciou três pessoas por suposta fraude nas cotas raciais  do concurso da Agerba, cujo resultado foi divulgado em março. Segundo a denúncia, eles foram aprovados para as vagas destinadas a pessoas que se autodeclaram negras, contudo sem preencherem os requisitos. A acusação levou o governo da Bahia a instaurar também processo investigativo para apurar a veracidade da informação fornecida pelos três candidatos, que não tiveram os nomes revelados. Nos próximos dias, serão convocados a comprovar presencialmente a condição de cotistas.  O não comparecimento, nesses casos, implica em reconhecimento da fraude. 

                                                       (*Coluna Satélite/CORREIO)