Resultado de imagem para fotos de cacau exportação
Com a estiagem que dura desde setembro de 2015 no sul da Bahia, quatro indústrias de chocolate da região precisaram importar cacau da África neste ano. Desembarcaram no porto de Ilhéus, em 2017, 150 mil toneladas do fruto oriundas do país de Gana, no continente africano.
Parte das sacas que chegam segue em caminhões para as fábricas e outra parte fica armazenada no porto. “Tivemos achatamento da produção, em torno de 50%, e a indústria precisou fazer a importação”, explica o presidente do sindicato rural da região e cacauicultor, Milton Andrade.
Tanto as amêndoas que ficam estocadas no porto, quanto as que seguem para outros armazéns, são inspecionadas no terminal, onde são coletadas amostras para análises. “É feita inspeção, fiscalização e classificação vegetal. É aplicado inseticida para não haver praga de grãos armazenados e é um cacau de primeira qualidade”, garante o auditor fiscal Silvio Menezes.
Um dos principais cuidados em relação à importação é impedir a entrada de pragas de outros países, como por exemplo, a monilíase, a striga e phytophthora.
A questão sanitária tem dividido opiniões: alguns produtores acham que a importação é segura e outros não. "Eu desconheço que tenha fato de [praga] striga em Gana. Queremos que as barreiras sejam apertadas sim, tanto é que [o cacau de] Costa do Marfim não entra mais no Brasil", avalia o produtor Henrique de Almeida.
Já o presidente do sindicato rural e cacauicultor Milton Andrade está preocupado com a possibilidade de entrada de pragas no país. “A forma que a indústria está fazendo, traz esse cacau e leva para seus depósitos para depois fazem avaliação de pragas, estamos de portas abertas a trazer doenças exóticas, que não atingem só cacaueiros, mas outras culturas, é caso de segurança nacional”, avalia o presidente do sindicato rural e cacauicultor Milton Andrade.
Segundo os produtores, a safra de maio e junho deste ano também está comprometida com a falta de chuva. Mcom a estiagem, a região sul da Bahia ainda é maior produtora de cacau no Brasil, com 60% da produção nacional. No ano passado, chegou a produzir 120 mil toneladas do produto. 

                                                                    (Fonte: G1 Bahia)